Médico no PE fala sobre a dor da separação entre famílias e pacientes com COVID-19

Médico infectologista fala como é a manobra feita entre pacientes vítimas da COVID-19

Bruno Ishigami, médico de doenças infecciosas, foi apontado como uma ponte entre a enfermaria e parentes de pacientes internados em um dos sete hospitais de campo do Recife.

Ao contrário de quase todas as outras doenças, a covid-19 tem um alto grau de isolamento dos pacientes, e os pacientes não podem receber visitas.

PUBLICIDADE

“Telefonamos aos membros da família todos os dias para atualizar informações sobre pacientes e situações semelhantes. Esta é uma experiência muito interessante. Ele disse: “Sinto-me muito honrado por poder estabelecer essa conexão e me tornar uma ponte entre a família e os pacientes.

Foi revelado ao UOL por Ishigaki, como eram chocantes alguns desses contatos, cheios de choro, dor, desejo e medo. “Algumas conversas chamam nossa atenção. Algumas falas são muito fortes.”

PUBLICIDADE

 

Relatos de familiares

“Ela lutou para melhorar nossa condição de vida, e agora não podemos nem dar um abraço nela e sentir o cheiro. Ela é a rainha da casa. Eu só a quero em casa, para que eu possa dizer: mãe, eu te amo!”

PUBLICIDADE

“Doutor, senhor, por favor me ajude! Traga minha esposa de volta!” -Seu marido estava chorando.

“Estamos cada vez mais desesperados porque tem sido difícil não ver minha mãe há oito dias”.

 

Momento frágil a todos

Segundo o médico, a separação de pacientes e familiares atraiu a atenção das pessoas, pois leva à vulnerabilidade em todos os que estão no relacionamento.

“Uma das coisas mais dolorosas na infecção pelo COVID-19 é o isolamento necessário. No momento em que todos estão muito vulneráveis, os pacientes admitidos são separados de suas famílias.

A falta de visitas à família é a causa da dor. Os pacientes geralmente sentem medo e medo do que lhes acontecerá. Aqueles que estiveram com eles a vida inteira não poder estar ali dando apoio.

Ishigami disse que, para as famílias, isso também é causa de angústia. “É sempre delicado ter um parente que precisa de tratamento médico. No coronavírus, você nem acompanha o desenvolvimento da doença, nem vê por si mesmo se seu parente é bom ou ruim.

Para algumas pessoas, isso é desesperador. Talvez este seja o último dia da vida de uma pessoa, ela não pode estar cercada pela pessoa que ama. ”

A tarefa de conversar com parentes se tornou uma experiência de aprendizado para os seres humanos. “A lição que aprendi foi frequentemente comentada por minha esposa: no momento de maior sofrimento e morte, as pessoas ao redor sempre serão a família. Independentemente da história da família, na maioria dos casos, a família está próxima a ele.

PUBLICIDADE

Escrito por News Report

Colunista de notícias, visando levar a informação à leitores diversos, através da internet, mídias sociais, redator de plataforma em diversos assuntos.