Executivo que delatou Aécio Neves é encontrado morto

Corpo de Henrique Valladares foi encontrado no apartamento onde ele morava

A polícia do Rio de Janeiro está investigando a respeito da morte do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Henrique Serrano Prado Valladares, que foi delator da Operação Lava Jato.

Ele revelou em seu depoimento a respeito de propinas que foram dadas para o deputado Aécio Neves (PSDB-MG) e também para o ex-senador Edison Lobão (MDB-MA), que foi ex-ministro no governo de Lula e Dilma.

PUBLICIDADE

O registro feito a respeito da morte na 14ª Delegacia, no Leblon, a princípio indica que a morte está como “causa indeterminada”. O corpo foi encontrado na última terça-feira (17), no apartamento onde o delator residia.

Foi aberto um guia de remoção para que o corpo de Henrique fosse levado para o Instituto Médico Legal (IML), pelos Bombeiros que foram chamados ao local.

PUBLICIDADE

Até o momento a investigação aponta que não tinha nenhum sinal de que o apartamento onde o corpo foi encontrado chegou a ser arrombado ou qualquer coisa do tipo. Também não foram comprovados sinais de luta corporal.

Depois de ser levado para o IML o corpo passou por necropsia, e logo após os exames necessários o corpo foi liberado para a família para que fossem feitos os devidos procedimentos para o velório e sepultamento de Valladares.

PUBLICIDADE

Henrique foi relatado por outros delatores como sendo o responsável por ter negociado R$30 milhões de propina para Aécio Neves, atuar de forma favorável nos Projetos do Rio Madeira.

Os projetos em questão eram Usinas Hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, localizadas em Rondônia. E com isso atender aos pedidos da empreiteira e também de Andrade Gutierrez.

Valladares chegou a relatar que pagava prestações que variavam entre 1 e 2 milhões que seriam repassados pelo Setor de Operações Estruturadas, que era denominado como o departamento de propinas do grupo, para o “Mineirinho”, apelido que foi dado à Aécio Neves. Lobão por sua vez era chamado na planilha de pagamentos como “Esquálido”. Henrique conta que os ministro recebeu cerca de R$5,5 milhões para rever o leilão da usina de Jirau.

Apesar de terem sido indicados pelo delator como parte da “folha de pagamento” de propina das Odebrecht tanto Aécio Neves quanto o ex-ministro Lobão sempre negaram a respeito do envolvimento e de terem recebido propina e qualquer tipo de envolvimento com práticas ilícitas.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.