“A escola é um lugar para se aprender coisas boas” diz deputada que criou projeto que proíbe danças sensuais nas escolas

O projeto agradou a maioria dos pais.

Está tramitando na Câmara dos Deputados, um projeto da deputada estadual Clarissa Tércio. A deputada criou um projeto e postou na sua página do Facebook, ela protocolou um projeto de lei que proíbe nas escolas de Pernambuco, danças com coreografias obscenas.

A deputada Clarissa Tércio faz parte da bancada evangélica de Pernambuco e ela declarou nas redes sociais que o objetivo dela é a proteção das crianças e dos adolescentes no ambiente escolar.

PUBLICIDADE

Segundo as palavras da deputada, é inaceitável que dentro das escolas crianças e adolescentes sejam incentivados a danças e coreografias vulgares e indecentes, a escola é um local para se aprender e se uma criança estiver em um ambiente vulgar, haverá grande probabilidade desta criança se tornar vulgar também.

Essas situações tiram a inocência das crianças, a deputada declarou isso, porque tem se tornado cada vez mais comum, dentro das escolas, e isso tem aumentado muito, o uso de danças com coreografias indecentes.

PUBLICIDADE

Vídeos nas redes sociais mostram crianças e adolescentes dançando ao som de funk com palavrões e linguagens obscenas, a deputada disse ainda que quando as crianças e adolescentes precocemente erotizam as suas brincadeiras, esse fator acaba sendo responsável pelo crescimento da violação da dignidade sexual das mulheres.

Muitos foram os posts de pais e mães que parabenizaram a deputada Clarissa Tércio por essa iniciativa, outros concluíram ainda que não será fácil, pois querem destruir os valores da família no Brasil, mas que Deus abençoe deputada Clarissa, independente se vai conseguir ou não mudar essa mentalidade nas escolas e os pais também tomem consciência de não deixar os filhos fazerem o que querem.

PUBLICIDADE

O importante é que está fazendo alguma coisa, que este projeto seja o primeiro entre muitos, porque o mal não é apenas as danças obscenas, mas também o celular, pois tem mais celular nas escolas do que livros.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.